segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A magia de ser criança

Saudade de quando era criança, de quando nada era pouco e tudo era muito, um simples sorriso me curava e um abraço me aliviava. Era só brincar e correr, nada mais. E por tão pouco, reclamava.
Saudade do tempo que minha preocupação era pela minha boneca, e o mundo era tão florido, minha inocência tão pura, e minha voz tão suave. Não exigia nada, além de 5 minutos brincando comigo. E qualquer coisa, por mais pequena que fosse, já era suficiente.
É, parece que cresci, e toda a pureza que havia em mim, foi-se com o tempo. Apesar de não ser do mal, vários pensamentos já passaram pela minha cabeça, tais pensamentos que quando criança não passavam, tais pensamentos que nem o significado eu sabia.
Ah, como é bom ser criança, como é lindo ser criança. Pois se eu reclamava de algo, era porque minha boneca não tinha  roupas suficientes, e minha mãe demorava no trabalho. 
O amor é tão lindo aos olhos de uma criança, e tão simples. Não via maldade e nem falsidade, muito menos preconceito, pois para a criança todos são "amiguinhos". É, se todos tivessem a visão de uma criança, talvez o mundo não fosse como é.
Queria voltar no tempo, e brincar. Brincar de ser feliz, brincar de que tudo é perfeito, e que o mundo é um eterno faz de conta.
Quando criança, não via defeito, e tão pouco crueldade. Tudo era lindo, tudo era colorido, se sofria era por tão pouco, e minhas lágrimas eram de dor de barriga.
E se cresci, não foi por vontade própria, sim por vontade da vida. A vida me fez crescer, de uma forma tão rápida, e com tão pouco tempo para aproveitar. 
Não. Não é a vida, é essa mania que o ser humano tem de querer crescer, virar logo adulto, ou até velhinho. Porque não aproveitamos esse nosso momento jovem? Porque não aproveitamos o tempo que ainda nos resta de ser feliz, sem preocupações? Isso sim que é bom, ser feliz sem medo, sem medo de errar, pois como uma criança que cai, e logo alevante para continuar a correr, e se cair novamente, pouco importa, o que realmente importa é brincar, brincar e brincar, sem medo, pois é a alegria é que lhe da força para novamente alevantar.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Nizeti Fontana

Minha querida mãe.
O que falar de uma pessoa tão especial? Como posso resumir tudo o que sinto em palavras?
Para começar, gostaria de dizer: Muito obrigada! Obrigada por tudo, por me acariciar quando estou triste, por me compreender, e por ser essa mãe maravilhosa que é.
Sabe aquela mãe protetora, que vê os outros em primeiro lugar e ela em último? Que me chama de bebê mesmo eu estando quase mais alta que ela? Que lê meu blog todos os dias e sempre me elogia? É ela. A minha mãe, a melhor mãe do mundo, a melhor amiga do mundo, a melhor conselheira.
É mãe, temos tanta coisa em comum, não acha? Temos o mesmo jeito de pensar, praticamente as mesmas qualidades e os mesmos defeitos, e por essas e outras nos entendemos tão bem. Aliás, de um tempo para cá, sinto que posso contar tudo para ti, e sei que você será minha eterna conselheira.
Porque você me faz cosquinhas quando estou triste, chora comigo quando estou chorando, e me ajuda quando estou com dificuldade. É a minha fã número 1, e torce por mim sempre.
Você fez tanto por mim, que está chegando hora de retribuir tudo isso, e pode ter certeza que farei isso da maneira que você merece. Pois não conheço nenhuma mãe tão especial como você, que faz tudo para poder ver o sorriso no rosto da sua filha.
E para todos que não gostam do jeito da minha mãe, lamento informar que aqui está nascendo a nova versão da Nizeti, com o mesmo rosto, e com a mesma maneira de pensar, igualzinho! E me orgulho disso.
Você deveria ser exemplo para todos, pela sua determinação, persistência e pela tua garra. Sei que trabalhou muito para me criar, além de tudo, continua trabalhando sem parar para poder melhorar a vida de todos em sua volta.
Ah tenho tanto a te agradecer, por me carregar 9 meses na barriga, pelos dias que passou ao meu lado no hospital, pelos dias faltados no trabalho para me amparar, pelas horas me escutando falar abobrinhas, ou até mesmo coisas sérias, por deixar compartilhar minhas dores contigo, enfim, se fosse falar tudo, passaria dias lendo e escrevendo.
Além de tudo, tenho que te agradecer infinitamente, pelo maior presente quevocê me deu tal presente que não sei se conseguirei retribuir: a vida. E por isso serei eternamente grata.
Vou estar sempre ao seu lado, se você cair, estarei pertinho para te levantar e continuar a caminhada junto contigo. E que este seja o primeiro de muitos aniversários que escreverei pra você.
Poderia ficar escrevendo aqui pra sempre, falando e falando sobre as qualidades de minha mãe, que não são poucas viu?! Mas como não posso, só quero agradecer mesmo, e dizer o quanto eu te amo, e o quanto você é importante em minha vida, e que nunca, mas nunca mesmo eu quero te perder, e perder o amor que você sente por mim. Obrigada mãe, por não desistir de mim, e sei que se eu sou o que sou, é graças a ti e mais ninguém.
Tenha toda a felicidade do mundo, que seus sonhos e desejos se realizem, porque você merece. Parabéns! E saiba que eu te amo muito.
Um grande abraço, da sua admiradora, da sua filha mais velha, do seu ombro amigo e da sua eterna Carolina Fontana.