terça-feira, 18 de maio de 2010

Priscila Ferreira da Silva

Minha irmã...
Como fazer uma homenagem que chegue aos teus pés, como conseguir descrever um sentimento inexplicável. Como superar o fato de não poder te abraçar, passar uma tarde contigo, nem mesmo ouvir a tua voz.
O sentimento que sinto é de grande e infinito amor, ao mesmo tempo com uma saudade profunda.
Me lembro de quando passávamos tardes sentadas conversando, lembro quando tu conheceu o meu querido cunhado, eu ainda era pequena, estava lá na casa do nosso pai e ele te ligou e eu tímida apenas dei um "oi", enquanto por ti passaria semanas no telefone com ele.
Lembro o quanto tu se importava e se importa comigo, me arrumava, brincava/cuidava de mim sem esquecer de nada.
Quando recebi a triste notícia de que não iria mais morar contigo, ou seja o pai e a mãe iriam se separar e cada uma seguiria seu rumo morando com seu pai/mãe. Eu era ainda pequena, apenas 3 anos, mas me lembro como se fosse ontem. Com os olhos repletos de lágrimas me agarrei na tua blusa e disse: "Mana tu pode ficar só mais um pouquinho?". Tu olhou pra mim, ao mesmo tempo para o pai e a mãe que com um gesto de sim com a cabeça, aquele dia deixou de ser triste para mim, pois por mais uma semana eu iria desfrutar da tua presença.
Novamente esse triste fato se repetiu, eu já era mais crescidinha, mas a dor não mudou, dessa vez era pior tu não iria mais morar na mesma cidade que eu, havia resolvido construir uma nova vida ao lado de seu esposo em outra cidade. Pronto, pela 2ª vez iria perder a minha única e melhor irmã! Posso não ter demonstrado mas a tristeza foi de uma imensidão.
Sinto tua falta e como! É só eu enxergar uma menina parecida contigo para eu cair em pranto. Pois quem for que seja, e que esteja em sua sã consciência não aguentaria ficar um mês longe de ti. E aqui estou eu. Posso até aguentar, mas confesso que não é fácil.
Querida irmã, que nesse dia tão especial, tu tenhas toda a felicidade do mundo, meus parabéns! Parabéns, parabéns e parabéns!

"Eu tenho tanto pra lhe falar, mas com palavras não sei dizer, como é grande o meu amor por você ♫"

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Santa Maria - O coração do Rio Grande


Hoje é o aniversário de uma cidade, tão cheia de graça, tão acolhedora e tão maravilhosa... É o aniversário da minha cidade, é o aniversário de Santa Maria.
Muitas vezes já reclamei dessa cidade e me arrependo cada instante que eu o fiz. Pois não existe lugar melhor que a minha cidade. Não dizem que o melhor lugar para se viver é em sua cidade? Então quem falou isso está correto, pois só em pensar em sair daqui me deixa triste e ao mesmo tempo irritada.
Sabe aquela cidade que não é capital, nem interior? É apenas um cidade que já me proporcionou muito amor. Aqui vivi meus melhores e piores momentos, aqui conheci amigos eternos, aqui vou construir minha vida e talvez até uma família.
Vi essa cidade progredir, e penso que ainda vou ver progredir muito mais. Uma cidade que apenas ao conhecer te encanta. É um lugar ótimo para morar, pois é calma, mas tu encontra tudo o que precisas.
Já vi e ouvi pessoas falarem mal daqui, mas sabe, quando elas saírem daqui vão se dar por conta o quanto essa cidade é maravilhosa e o quanto ela nos proporciona uma vida ótima.
Queria dizer que daqui eu não saio daqui ninguém me tira. Sei que ainda vou ver e viver muito nessa cidade,  e vou ver até mesmo os meus filhos falarem o mesmo e assim consecutivamente.
Pois cidade melhor do que essa ainda está para nascer!
Parabéns Santa Maria e que venha muitos e muitos aniversários para podermos comemorar juntos! Tenho certeza que nunca te abandonarei!

sábado, 15 de maio de 2010

Da cobiça ao desânimo

Quando vocês leram o tema central do post, ou seja o título, devem ter tentando decifrar, ou pelo menos ter uma ideia do que eu ia tratar sobre ele.
Digamos que, todos nós temos desejos, isso é normal de um ser humano, ou seja, todos nós, nem que seja em uma parcela mínima, cobiçamos algo. Até aí vocês já aviam conseguido entender, agora na parte do desânimo não captaram o que eu quis dizer, né?! Calma, vou explicar.
Quando desejamos muito algo, o normal do ser humano é correr atrás do que quer, no entanto, existem maneiras e maneiras de fazê-lo. Pessoas optam por trabalhar, batalhar até conseguir, pessoas optam por roubar ou até mesmo matar. Quando conseguem qual é mesmo a reação? Satisfeita? Talvez... Mas pode ter certeza que por mais que fique satisfeita o que conseguiu ainda não é tudo, ou seja não o satisfez totalmente. Pois é da natureza do homem querer mais, mais e mais.
Aí que entra a parte do desânimo, pois quanto mais queremos, quando conseguimos mais desanimados ficamos, assim fazendo com que nós queiramos mais. Concordam?
Falo até mesmo por experiência própria, tento me controlar, mas não é sempre que consigo..
Basicamente é isso, acho que quando queremos algo, não fiquemos tão obcecados, pois o resultado final, ou seja a hora que conseguirmos, o desânimo vai bater e o que tanto que queriam vai perder a "graça".
Queria dizer que o melhor é pensar muito bem antes de cobiçar algo, pensar se aquilo é o que realmente você quer, ou se é necessário. Pois muitas vezes sentimos falta de outras coisas e pensamos que a falta que estamos sentindo é de algo material, sendo que pode ser sentimental.

domingo, 9 de maio de 2010

Nizeti Fontana, feliz dia das mães!

Como diz Mario Quintana: "São três letrinhas apenas e nelas cabem o infinito".
Ah! Minha mãe, como falar de uma pessoa tão linda, meiga, incrível e que consegue transformar o mais triste dia na mais engraçada piada. A única que me ampara quando preciso, que passa a mão na minha cabeça quando não deve, que faz do meu dia o melhor de todos.
Minha mãe é aquela que diz: "Se tu sair com esse "pingo" de roupa na rua eu não vou te dar remédio", fazendo com que eu volte e pegue um casaco. Aquela que quando diz "não" na verdade, está morrendo de vontade de dizer "sim", porém, entende que esse "não" é necessário.
O que significa mãe? Uma imensidão, um nome tão pequeno, mas que cabe milhões.
Minha mãe? A melhor de todas, se um dia reclamei dela me arrependo, olho e penso: "Minha mãe é a melhor."
Dia das mães? É sempre.
Queria agradecer a todas mães, pois são por elas que estamos aqui, e são elas que estão do nosso lado, seja nos momentos ruins ou nos momentos bons, é aquela que nos da amparo, e não é qualquer um que tem a capacidade de ser mãe.
FELIZ DIA DAS MÃES!

sábado, 1 de maio de 2010

Diga não a: Falsidade.

Um dia uma amiga minha me perguntou: "Carol, o que te faz ficar mais brava, e acabar de vez com uma amizade?" E eu pensei, e respondi: "Uma amizade nunca acaba de vez, mas sim deixa de ter a mesma sinceridade que antes tinha, e para deixar de haver essa sinceridade, e o que me deixa mais triste e irritada é a falsidade."
Novamente ela perguntou: "Mas o que seria falsidade pra ti?" Fiquei pensativa por uns minutos, mas logo respondi: "Depende, falar mal de mim, não seria a maior das falsidades, afinal, isso todos nós fazemos; mas o que me deixa triste é ser um na minha frente, e no instante em que eu virar as costas me cravar um punhal, e mudar suas atitudes radicalmente."
Eu sou uma pessoa que quando tenho uma amizade, entrego-me de corpo e alma, sou amiga em todas as horas, sou a irmã mais velha que sempre tem um conselho para dar, sou o ombro amigo, e nunca digo não, seja qual for a necessidade do meu amigo. Mas as vezes acabo exigindo demais das minhas amizades, dou tudo de mim, mas não tenho o direito de exigir; creio e espero sempre o melhor do próximo, e muitas vezes acabo me "ferrando", e na maioria das vezes a causa é a: falsidade.
Penso que não é só comigo que acontece, e sim com todos, pois o pior veneno para se acabar com uma amizade é a falsidade, pois um dia falsa, a amizade nunca voltará a ser a mesma.
A falsidade não deixa de ser uma máscara que tu usa quando necessária. Pois não é tão simples ser quem não é?
Pode até ser simples, mas saiba que um dia, apenas um dia que tu usar esta máscara, ah aí quando tentar ser você ninguém mais acreditará em ti, e para ter novamente esta confiança será mais difícil do que era antes, aí você vai perceber que o simples era ser você mesmo.